sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Máscara Inerte

Roubaste minha Máscara Inerte.
A que me deixa gélida.
Já vasculhei todos os recantos deste vestíbulo, e nada.
Só podes ter sido Tu. Só Tu lá estiveste,
Nem tens como negar!

Agora, desnuda de gelo, sou para sempre
Rival de arena dessa visão e dessa estranheza
Que é a naturalidade dos corpos trepando
Montanhas de emoção e tormentas.
E viver com isso!... Irresistível  tortura.

Já que não vieste, não venhas.
Escuso de procurar a Máscara.
Ou vem, se vens devolver o que, louco,
Usurpaste! Apartando todos meus seres,
Apartando-me também.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Biombo



Meu espírito tem resvalado para o etéreo nas últimas eras do Incontável Tempo. 
Como terão sido os nossos encontros nas nossas vidas passadas? Terá esse Inanimado
Capturado em suas camufladas esquinas (ou seriam escunas em Oceanos de Perplexidade?),
As cordas que nos suspendem acima desse mundiverso ?
Melodias que se movem, absolutamente silenciosas e de forma graciosa.  
Movimentos hirtos e fixos à tela do tal, o Incontável!

Se nesse apartamento deste meu espaço te resguardas Tu, Coisa Nenhuma,
Por aí, o melhor será que te quedes e não incomodes meu já sinistrado espírito.
Guarda nessa sombra de tabique que te dá o Sol, e não raras vezes a Lua, Coisas Nenhumas
Guarda as melodias moventes, cordas suspensórias, movimentos hirtos de intensidade e
Não te apoquentes que este torpor é de emoção. A de adivinhar-te 
Por detrás da face do que se vê e ter um vislumbre da rara beleza, talvez por entre alguma
Mal fechada frincha e possa ir já degustando a sensação de deslize por essas infindáveis
Cordas de luz que em algum Incontável Tempo nos fundiram e nos apartam, ora, volvidos milénios!

Bem melhor que te quedes, pois. Amo o desconhecido que abraças nesse Perplexo Oceano,
De Ilusão surreal, de céus flamejantes de onde chovem rochedos de fogo. E as Cordas.
“Está no biombo!” – é o eco infindável e ensurdecedor no Universo seguinte, o que albergas.
Neste mundiverso, a expansão chegou ao limite e estamos em decomposição avançada.
Se te ultrapassasse, Inanimado, ver-te-ia, Coisa Nenhuma. E às melodias moventes, que afinal
Eram verdade em ti e nos teus movimentos hirtos de suavidade que para sempre em rostos
Ficaram impressas. E talvez já não fosse eu. Talvez fosse outra, com voz parecida. E talvez não
Fosse o Segredo o que se adivinhou. Talvez fosse fascinante desilusão.


Maria Fernandes
The sound of goodbye screamming loud and slowly.
Those violet wheeping shores keep turning blue my deepest soul... and mind.
Oh please, leave me drowning in these tears - I'm sure they're not as salty as you.
I'm sure they'll wash away this mess you're letting me with. That taste of perfection... it can not be real. I wish it not to be real. I need you to be real

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Terra


O cheiro inebriante, à saída do túnel invade imediatamente todos os meus sentidos. O ar, repleto de memórias traz a Terra até mim, até ao mais recôndito da lembrança. Lembro de, em criança, num qualquer filme de época haver retido a ideia de que tudo se perde e ganha e de que para além de nós, do que construímos, sonhamos, criamos, ateamos fogo e até depois da nossa morte e da dos outros a Terra, essa, permanece -  muda de histórias e contos reais e imaginários, guardando em si vidas e umas quantas mortes, muitas.
Esse inebriante odor de Terra, de suor e trabalho. Das lágrimas que no leito castanho escuro basáltico foram mil vezes derramadas. Essas lágrimas perdidas, fundidas para sempre em grãos de matéria e criando a substância que educa gerações e povos. E culturas.

De cada vez que desse túnel surjo, vinda dos sítios onde julgo viver, uma onda de calor invade estas entranhas como que para contrariar o fresco, o frio desse lado. E revejo-me em crescendo. Em flutuando. Em cada passo que deixei perdido nessa Terra de ninguém, a minha. A rocha por cima de nós. O imperioso oceano, a nossos pés bradando aos céus imperceptíveis coisas perante nossa apatia. Que da Terra somos e dessa negra Terra somos feitos.

É bom senti-la escorrendo por entre os dedos, na sua voluptuosa queda de volta ao leito.
É bom moldá-la e vê-la tomando a nossa forma, a forma do nosso Eu, do nosso impaciente desejo de posse. Da urgente necessidade de ouvir essas vidas e mortes contidas e poder, enfim e em plenitude, entender o fio invisível e imensurável que nos liga, feito amantes eternos.


Maria Fernandes




segunda-feira, 7 de novembro de 2011

CONSTATAÇÃO

"Fornicaste-me a vida, seu filho de uma grande puta!" Dois anos volvidos e é esta a reacção, o pensamento primeiro à visão da tumba. "Ainda não passou", concluo. Foda-se.
Fui de encontro aos fantasmas e fizeram questão de que soubesse  que me viam chegar. Arrepio. Agora vou-me. Que apodreça de vez.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

O Vento não dava tréguas

E, aos poucos, a ventania parece
arrepiar-me as entranhas e meu
já alterado espírito torna-se Vento,
também. Nada mais que tu ocupa a minha
hesitantemente acutilante e analista mente.
Quando quis que o Vento alado me
soprasse, a ver se por algum fantástico desígnio,
meu espírito descansava de ti, como
que levando em seu sopro de voo
as palavras, todas que crio e descrio,
na busca (inútil!) de Te saber,
nada aconteceu!
 Todavia, lá no sítio para onde fogem todas as estrelas,
a calma foi avassaladora, o silêncio
cheio de frases ora com, ora sem nexo.
As sintaxes não foram necessárias,
são esdrúxulas ao nosso olhar.
Nem uma brisa, quanto mais um Vento Alado!
Foi uma qualquer Trégua que o Tempo
e a malfadada circunstância, benévolamente,
nos concederam... para que soubéssemos
quem fomos e quem somos.
E o Alado, depois, para que não esqueçamos.

Maria Fernandes

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Receio titular de "AMOR" (!)

Há um lusco-fusco
em que vislumbro
raríssima beleza de
profundidade inalcansavel, inaudível.
A felicidade é autêntica
ao dar-te de mim o tudo,
junto de todo o nada...
e que perfeito enlace entre o que se é
e o que se sonha, no infinito minuto
que de um e de outro bebemos!

Súbito

Uma qualquer mão
de algum mais ousado fantasma
ousa no negrume
perturbar meu espírito (des)usado
e sinto nas vísceras
o vómito estrangulado
de confusão, confissão e torpor...
Desfiladeiro imensurável e vertiginoso
onde deposito um beijo a render, juro!

Súbito relance e passo a (meta)estática,
se é que era verdade que em alguma altura
houve corpos que se misturaram e enrolaram
sem qualquer credo ou condição, ainda que
fosse imaginária. Melhor seria ter depositado
esse beijo à ordem - de ideias, de movimentos,
de sensações reais e pseudoreais
sem querer saber a que altitude estaria o fundo
do teu olhar. Ah, se pudesse!...

Se pudesse de súbito banhar-me
no verde do teu oceano! Assim, sem
estar à espera!... Como quem não quer a coisa!
E, no mesmo recado, dizer a teu coração escarlate
que me deixas ao rubro no súbito instante
que as mãos se comprimem e ouço o beijo
a estatelar-se ao fundo do vertiginoso desfiladeiro
verde da alma...


Maria Fernandes, in Contemplações, Constatações e 30 Ventos (2014)

.....................

.......
não tenho palavras para a dor
é muda
não ouve
cerra-me os lábios
o coração em tropeços
a alma em farrapos
quem sou ou quem fui nunca jamais sequer contou em alguma equação cósmica efectuada por sei lá quem
quem fui ou quem sou
não sou eu
sou uma qualquer perdida ao redor de nada
nada me preenche e me vaza
a beleza horrenda me afronta
nada com que me defenda
deixo-me padecer
se por vezes parecer mais viva, não vos enganeis: é o nada que me faz vida
e é o nada que me mata
a ponto de nãp fazer diferença
se viva ou morta canto
..................

De Roto a Esfarrapado




Já todos ouvimos falar, nem que fosse muito por alto, no Antigo Império Russo, na queda do czar, por aí adiante... (terão todos ouvido?) Aceitam-se como factos os dados históricos conhecidos mas será que as consequências dos acontecimentos que tiveram origem no início do século XX no seio da monarquia absolutista no Império Russo ou, se por outro lado, iriam lançar o país num sério declínio moral e humano antes de o guiar na direcção de se tornar uma das grandes potências mundiais?
Se é verdade que o Império Russo se encontrava economicamente devastado e atrasado em relação a outros países da Europa por altura do final da era czarista e que a revolução do início do século XX visou tirar o país dessa mísera condição e atribuir melhores condições de vida às populações, também é verdade que por estas alturas se lançaram as sementes que levaram à implementação de um regime ditatorial comunista liderado por Stalin, após a morte de Lenine, que fez milhões de vítimas, por via da forte perseguição a oponentes ideológicos.
 A abolição da propriedade privada num Estado onde tudo é de todos, a cultura do "vamos lá repartir" é um belo ideal, mas... não funciona. Passou-se do oito para o oitenta. Por um lado tínhamos a Rússia Imperial liderada por um czar que detinha o poder de forma absoluta, onde uma das mais vastas populações do Mundo somente uma fina camada da população tinha boas condições de vida (os nobres). Por outro lado passámos a ter estado que tudo detinha mas que não tolerava ideias contrárias. É certo que a decadência da monarquia absoluta seria inevitável, mas seria este o caminho a percorrer?
Na minha humilde opinião, assumo-me contra qualquer Estado totalitário onde não sejam cumpridas as mais básicas directrizes dos Direitos Humanos. Tal como Saddam no Iraque ou Salazar em Portugal, a Russia teve um Stalin. Enfim... Terá valido a pena tudo aquilo para serem os primeiros a pôr um homem no espaço? Decididamente: NÂO. Disse.

Contemplação II

Gosto de assim quedar-me.
Bebendo da vista que alcança o olhar.
Saboreando cada esquina, cada pedra
como testemunhos que são de vida passada.
Cada momento em meu campo de visão
é uma viagem à contemplação de meu Eu
que deixei, encontrei, fui, voltei sem
jamais, nunca, mas nunca esquecer
que contemplo... o meu mundo.
Sorvendo do que o olhar me dá.
Revendo-me em cada brisa que sopra.
Segredando-me coisas de nunca e
de sempre, que nunca perdi, afinal.
Gosto de nada pensar.
Quedar-me, só. A olhar.
Mastigando e digerindo adjectivos e
nomes e cognomes que em honra
do que contemplo, irei escrever.
Gosto de imaginar o corpo do texto,
adivinhar os primeiros verbos.

Ao ver-te, o meu rosto transfigura-se.
Não sei em que tempo, em que ano ou era nos
podemos ter fundido. Numa qualquer altura
tal aconteceu, sei-o em cada longo olhar com
que nos deleitamos, de um e de outro.
Tudo o que me mostras é belo.
É belo o nosso olhar fundo.
Belo é o sentir-te. Dizer-te é belo.
E se um no outro repousamos,
é belo o repouso. O descanso que mais
não é o silêncio gritante de tudo,
o murmuramos, e é belo, sim!
Na rocha e no mar e no céu revi
o que escreveste e em meu
parado olhar marejaram comovidas
as lágrimas da bênção, que me comove a beleza.
E o coração latejante e o cérebro visceral
não são mais que correntes e túneis
que albergam os sorrisos, teus. Os olhos, os teus.
A emoção e a estranheza que é ver-te e ter-te.
E o querer-te como se não mais aurora nascesse...

Maria Fernandes, in Contemplações, Constatações e 30 Ventos (2014)

Rien

Se não recebi o que me deste
ou algo recebi sem que mo desses,
não julgues que por vontade minha tal ocorreu!
De facto, o que ficou, se algo ficou,
do que nos aconteceu, jamais terá sido produto
da minha insana imaginação ou do
que, lá nos confins do mais profundo da alma,
seria em algum tempo capaz de imaginar!

Enquanto isso, deixas que seja o silêncio a falar!
Permites que, ensurdecedor, diga a seu bel-prazer
o que lhe apeteça! Ah, como nos conhecemos tão bem!
Sabemos perfeitamente que sílabas são pronunciadas
no infinito dicionário de nossas emoções! Que nem ladaínha
- aprendida e apreendida - cantarolamos, sem saber,
frases sem nexo de bem querer, de calor e respirações
que clamam e cantam o que  afinal, desde sempre soubemos!...

É belo, belo! Este ver-te e não te ver. Este ter-te e não te ter.
Todo o silêncio gritante dizendo histórias de nada e rasas de tudo!
O dizer-te e não te dizer. O querer-te e repudiar-te.
O desejar-te como se não houvesse amanhã.
Ser eu e ser tu como se dois fossemos.

Dou por mim no chão. Encontro-me estendida.
Da Luz, nem sinal.
De ti, nem um mal. Nem bem, também.
Nada.

O Fundo Do Desfiladeiro

por Maria Fernandes a Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011 às 1:52
Gosto que fales desalmadamente. Dá tempo de reparar nas tuas micro expressões  e de ver exactamente onde fixas o olhar enquanto falas. Volta e meia, olhas-me nos olhos, como me dando a saber que a tua atenção não se desviou de mim. Gosto da dinâmica que emprestas ao diálogo, sabendo evitar perguntas e deixando perceber que o estás a fazer! Depois completas com a acostumada brilhante dedução/raciocínio perfeito. Sarcasmo e ironia são tempero frequente! A provocação é, por vezes, afrodisíaca e, sempre, sensual. Nesses momentos é como se se abrisse uma fenda, uma espécie de janela entre mundos sensoriais. Deixo, por fracções de segundo, de te ouvir e passo a espreitar por aí, para o teu mundo sensorial. Progrido e vou descobrindo infindáveis sensações (seremos sensitivos?!). Depressa volto e continuas no mesmo assunto. Nessa vez olhaste-me nos olhos. É sempre uma aventura olhar os teus e procuro-os sempre que tenho o prazer de ver a tua cara. São belos e profundos, de um verde sobrenatural. Quando falas assim, sem alma, como quem faz ruído por o silêncio ser incomportavelmente gritante e raso de verdade, é quando mais se torna imperativa a necessidade de te olhar, de te ouvir e de ouvir o que tens para dizer e para dar, ainda que seja nada! Contudo o silêncio de hoje foi magnífico!! Disse-te tanto sem sequer mover os lábios ou sequer que me visses! Talvez prefira que não vejas mesmo ou prefiro não ver nada, eu... Falemos desalmadamente, os dois, então! A ver se lá no fundo se estatelam ansiedades e queixumes insanos e tiranos de nós mesmos e de um e de outro. Não nós, só tu e eu.